Arquivo da tag: Dúvida

Embasbawards 2010: Ator Coadjuvante

As grandes performances de 2009 na categoria:

Christoph Waltz

Christoph Waltz, por Bastardos Inglórios. Waltz fez um trabalho primoroso dando vida ao Coronel Hans Landa, que já lhe rendeu todos os prêmios da temporada e lhe dará  Oscar dia 07 de março. Impecável nos movimentos, sarcástico na voz, Waltz oscila com perfeição entre a caricatura e a seriedade, dando ao personagem tudo de que o filme precisava.

*

Philip Seymour Hoffman

Philip Seymour Hoffman, por Dúvida. Desde Capote, Hoffman conseguiu superar a alcunha de coadjuvante de luxo, entregando belos trabalhos nas categorias principais, como recentemente em Sinédoque, Nova York. Em Dúvida, Hoffman volta ao papel de coadjuvante ao embrenhar-se num duelo de excelência com Meryl Streep. Com a dúvida central do longa girando ao redor de Padre Flynn, só um mestre poderia dar ao personagem a ambiguidade necessária para a manutenção do clima do filme.

*

Stanley Tucci

Stanley Tucci, por Julie&Julia. Coadjuvante de luxo da vez, Stanley Tucci vem chamando a atenção desde O Diabo Veste Prada e em Julie&Julia repete a parceria de sucesso com Meryl Streep. Leve e preciso, Stanley é lembrado pelo Embasbawards também pelo conjunto de sua obra.

*

Michael Shannon

Michael Shannon, por Foi Apenas um Sonho. Shannon aparece pouco em Foi Apenas um Sonho, mas surpreende pela profundidade em que representa um doente mental oscilando na tênue linha entre consciência e crise. Sua cena fulcral, apesar de um tanto forçada pelo roteiro, dá espaço para que o ator brilhe em seu papel e tire o ar da audiência, que só respira novamente quando ele sai de cena.

*

Alan Rickman

Alan Rickman, por Harry Potter e o Enigma do Princípe. Alan Rickman vem fazendo um grande trabalho na série de Harry Potter, na qual dá vida ao mais complexo dos personagens de toda a trama. Em O Enigma do Princípe, apesar da audiência não saber,  Snape enfrenta um dos maiores dilemas morais de sua vida atribulada, o que transparece com maestria nas expressões sombrias e pesadas do personagem.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Embasbawards

Embasbawards 2010: Elenco

Os filmes com os melhores elencos de 2009:

Dúvida

Dúvida – O filme de John Patrick Shanley foi celebrado por seu roteiro magistral e seu time de atores fora do comum. Não era para menos. A jovem Amy Adams surpreende no melhor papel de sua carreira. A coadjuvante Viola Davis rouba os holofotes  e uma indicação ao Oscar por apenas duas cenas, que transbordam uma sutileza incrível. Philip Seymour Hoffman e Meryl Streep trazem um verdadeiro duelo interpretativo dando vida a personagens que, de tantas nuances, só poderiam brilhar nas mãos de mestres.

*

Foi Apenas um Sonho

Foi Apenas um Sonho – Por que Kate Winslet foi indicado ao Oscar de Melhor Atriz por O Leitor, se muitos consideravam seu papel como coadjuvante? Uma das resposta é que se ela fosse lembrada por Foi Apenas um Sonho, Leonardo Di Caprio não poderia passar despercebido. Nesse filme, os dois dão um tremendo show como um casal perturbado pelas garras do cotidiano, enquanto Michael Shannon  despeja talento como um esquizofrênico dono de todas as verdades. E tem Kathy Bates para temperar.

*

Anticristo

Anticristo Pode um filme de dois atores figurar nessa categoria? Naturalmente, se seus trabalhos forem dignos de nota. Charlotte Gainsbourg ganhou o prêmio de melhor atriz em Cannes por sua performance assustadora e profunda. Se a fotografia de Lars Von Trier cria o sombrio no ambiente, Charlotte dá a dimensão humana a essa escuridão maléfica que ronda Anticristo. Willem Daffoe, no melhor papel de sua carreira, tampouco se apaga diante de sua mulher.

*

Frost/Nixon

Frost/Nixon – Frank Langella extremamente inspirado como o altivo Richard Nixon e Michael Sheen à vontade como o inseguro e atrevido apresentador David Sheen. Destaque também para o time de coadjuvantes que inclui Kevin Bacon e Rebecca Hall.

*

Almoço em Agosto

Almoço em Agosto – Pouco lembrado pelos cinéfilos online, o filme italiano teve distribuição reduzida no Brasil. Nem por isso deixa de ser a melhor comédia de 2009. O elenco compreende uma série de idosas ao redor de Gianni, um homem de meia idade. Não há nenhum destaque individual no elenco, mas juntos formam uma harmonia que cria o tom cômico. Merece ser lembrado como uma ode à terceira idade e às comédias inteligentes.

Deixe um comentário

Arquivado em Embasbawards

Embasbawards 2010: Roteiro Adaptado

Os destaques em roteiro adapatado nas telas brasileiras em 2009:

Deixa Ela Entrar

Deixa Ela Entrar – Dar voz a todas as sutilezas e nuances de uma história tão bela e complexa como a que vemos aqui é uma das proezas do roteiro adaptado de Deixa Ela Entrar. A tensão e a ambiguidade criadas criam uma atmosfera poderosa com a ajuda da direção competente de Tomas Alfredson. É o roteiro e a edição competente que transformam Deixa Ela Entrar na pérola de 2009, uma história de duas leituras.

*

O Leitor

O Leitor Alguns de meus colegas blogueiros não apreciaram muito O Leitor. Eu vi o filme como um dos melhores candidatos ao Oscar do ano passado. Baseado em um livro que traz questões humanas profundas que não se resumem à Segunda Guerra Mundial, o roteiro de O Leitor traz à tona conflitos poderosos e dá espaço para que Kate Winslet brilhe na performance que lhe rendeu o Oscar em 2009. Ainda que o filme tenha uma queda de qualidade no terço final, não penso que afete o resultado final da obra.

*

Dúvida

Dúvida Baseado na peça de mesmo nome dirigida por John Patrick Shanley, que também esteve à frente do roteiro e da direção do filme, Dúvida tem um roteiro preciso e enigmático que dá toda a força ao filme. Alguns o acusaram de ser excessivamente teatral, o que denuncia suas origens. Pode ser verdade, mas, para mim, não há demérito alguns nas linhas ambíguas que criam diálogos inesquecíveis e uma das maiores dúvidas da história do cinema.

*

Frost/Nixon

Frost/Nixon Frost/Nixon também foi lembrado no Embasbawards pela montagem que, em conjunto com o roteiro competente, dá uma força descomunal ao longa. Baseado também em uma peça e em um argumento que poderia tornar-se enfandonho, o roteiro não desliza na precisão e mantém o ritmo no duelo entre Frost e Nixon, tão memorável quanto a disputa entre Irmã Aloysius e Padre Flynn em Dúvida.

*

Quem Quer Ser um Milionário?

Quem Quer Ser um Milionário? – Uma história simples que, graças ao trio direção-roteiro-montagem competente, cativou milhões ao redor do mundo e rendeu oito Oscar ao filme. Apesar de achar o argumento de Quem Quer Ser um Milionário? conservador e enganoso, isso não tira os méritos do roteiro bem escrito e ritmicamente intenso.


Deixe um comentário

Arquivado em Embasbawards

Crítica: JULIE & JULIA

Julia & Julia

Acompanhei a produção de Julie & Julia desde os primórdios, graças à admiração desmedida que tenho por Meryl Streep e que não é segredo para ninguém. Tive a oportunidade de conferir o filme na Mostra Internacional de São Paulo, mas preferi não fazê-lo para prestigiar os longas que nunca chegarão às telas brasileiras. Agora, com a estreia oficial do filme, pude conferir esse novo trabalho de Nora Ephron, que já trabalhara com Streep em A Difícil Arte de Amar e Silkwood.

Julie & Julia é um filme singelo e gostoso de se assistir. Baseado em duas histórias reais, o filme retrata o período em que a lenda da culinária Julia Child (Meryl Streep) ainda engatinhava na cozinha descobrindo sua paixão.  Quase cinquenta anos no futuro, Julie Powell (Amy Adams), infeliz com sua vida ordinária, resolve criar um blog e partilhar com o mundo sua experiência inusitada: cozinhar as 524 receitas do livro de Julia em 365 dias. Está pronto o cenário para receitas de dar água na boca.

Nora Ephron criou vários roteiros agradáveis de se assistir, alguns já imortais na categoria das comédias romanticas, como em Harry e Sally; em Julie & Julia a diretora/roteirista repete a dose. Ambas as histórias retratadas no longa são engraçadas, ao mesmo tempo inusitadas e banais e sempre sutis em suas insinuações. Além do mais, o roteiro cumpre a cartilha ao não dar predominância a nenhuma delas e manter-nos interessados tanto em Julie como em Julia. Singelo, divertido e ótimo para espairecer a cabeça antes de duas semanas de provas de final de semestre.

Meryl Streep e Amy Adams, apesar de não partilharem as telas (exceto pela TV…), repetem a dose de química já vista em Dúvida. Adams é simpática e fofucha, é uma boa atriz, mas ainda tem que comer um poquinho de feijão. Já Streep, nem precisava falar, está estupenda como sempre. Não vou chover no molhado e elogiá-la, mas só digo que ela conseguiu outra de suas proezas: imitar um sotaque inimitável. Recomendo a todos um video da verdadeira Julia Child para entender do que falo. Esse vídeo também serve para alguns que enxergaram a interpretação de Streep como quase caricata; na verdade, Julia era assim mesmo. Alô Academia, décima sexta indicação ao Oscar e, já está na hora, terceira estatueta para a rainha do cinema.

Julie & Julia vem no momento certo, ao acrescentar muitos ovos e manteiga em nossas vidas chatas e ascéticas, de calorias contadas e horas na academia. Essa relação de frieza e medo que desenvolvemos com nossos alimentos só tem a diminuir nossa riqueza civilizacional. Talvez o segredo para uma vida realmente saudável e feliz esteja em Julia Child: comer com prazer, amar o que faz e fazer muito sexo para gastar as calorias. Ninguém precisará de auto-ajuda.

5 Comentários

Arquivado em Crítica

Carreira: Meryl Streep [4]

Um talento que abraça o mundo

Um talento que abraça o mundo

Leia primeiro a Parte 1, a Parte 2 e a Parte 3.

Desde As Pontes de Madison, quando Meryl Streep provou que ainda tinha fôlego para encarar Hollywood de frente, a atriz vem interpretando papéis maduros que, talvez, sejam os melhores de toda a sua carreira ao lado de Sofia e Helen Archer. Ainda assim, desde 1983, Streep nunca mais recebeu Oscar algum. Alguns argumentam que o Oscar não é um prêmio para ser levado a sério, o que não encerra discussão, uma vez que a estatueta dourada é o prêmio de maior visibilidade mundial. Teria Meryl se tornado a eterna indicada, a competente atriz que produz belos trabalhos mas que nunca mais conseguiu alcaçar o ápice da interpretação? Ou a Academia teria apenas reconhecido que Streep já alcançou patamares lendários e que seria melhor agraciar outras atrizes com o prêmio? Deixo as questões para meus leitores. De todo modo, este último texto biográfico tentará mostrar que Meryl fez outros trabalhos dignos da estatueta e lançará a pergunta que encerrou o texto anterior: a crescente popularização desta atriz será seu crepúsculo?

Just Streep

Just Streep

Em 2002, Streep interpreta Susan Orlean no filme introspectivo Adaptação, ótimo papel que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante depois de 23 anos. Mas foi em As Horas, um dos melhores filmes da primeira década do novo século, que Streep nos entregou mais um papel primoroso, de uma profudidade que poucas atriz conseguiriam expressar. Clarissa é uma mulher frágil e poderosa, que nos brinda com uma pérola do cinema moderno: I remember one morning getting up at dawn, there was such a sense of possibility. You know, that feeling? And I remember thinking to myself: So, this is the beginning of happiness. This is where it starts. And of course there will always be more. It never occurred to me it wasn’t the beginning. It was happiness. It was the moment. Right then.

Em 2004, Meryl participa da adaptação Desventuras em Série, como a excêntrica Tia Josephine, personagem plana que ganha vida nas mãos de Streep. Subestimado, Desventuras é um belo e artístico filme, apesar da temática deveras juvenil. No mesmo ano, a atriz interpreta a vilã de Sob Domínio do Mal, Eleanor Shaw, que deixaria Miranda Priestley no chinelo. Também subestimado, o filme é um perturbante thriller político e, confesso, é o longa graças ao qual comecei a apreciar o talento de Meryl Streep. No ano seguinte, a mediana comédia Terapia do Amor nos lembra de seu talento para comédia, esquecido desde A Morte Lhe Cai Bem.

No ano de 2006, dois prodígios. Em A Última Noite, o belo e singelo último filme de Robert Altman, Meryl canta várias canções no mesmo longa, feito inédito e que revela seu talento para a música, que seria aproveitado em Mamma Mia! O fato é que, espalhados por diversos trabalhos, Meryl possui mais de trinta canções, das quais falarei separadamente em outra oportunidade. Em O Diabo Veste Prada, Streep dá vida a um novo ícone, a vilã-nem-tão-vilã-assim, Miranda Priestley, que a colocou denovo nas graças do grande público. O sucesso do filme garantiu uma nova geração de fãs para Meryl Streep, alçando-a à popularidade (talvez maior ainda) que possuía na década de 1980. A décima quarta indicação ao Oscar e uma de suas chances mais reais. Ficou só na chance, a estatueta foi para Helen Mirren.

Don, Meryl, Louisa

Don, Meryl, Louisa

Nos últimos dois anos, uma enxurrada de filmes. Em 2007, Fúria pela Honra, Leões e Cordeiros, O Suspeito e Ao Entardecer, nenhum deles de grande projeção. Em 2008, o mega fenômeno, o musical mais brega e mais animado da história, um paradoxo: Mamma Mia!, que trouxe outra leva de fãs à atriz. Também neste ano, Dúvida, um longa inteligente e bem montado e que lhe trouxe a décima quinta indicação ao Oscar. Para 2009, já esperamos Julie & Julia e It´s complicated.

Dois anos, oito filmes. Em poucas palavras, dentro da lógica de mercado, os estúdios perceberam que Meryl Streep ainda pode dar muito dinheiro. Só Mamma Mia! e O Diabo Veste Prada renderam, juntos, quase um bilhão de dólares. Em época de crise, Streep é rendimento certo. Sorte dos fãs e das audiências de cinema, que podem continuar a apreciar o trabalho da maior atriz viva e quiçá da história de todo o cinema.

A grande questão que se coloca para o futuro é, mais uma vez: será a popularidade de Streep seu crepúsculo, seu respiro final? Afinal, é sabido que o grande público simplesmente enjoa de atores que dão muito as caras nas grandes telas. E quanto mais Streep se populariza, mais papeis mercadológicos acaba escolhendo, o que a distancia da excelência que lhe é devida. E agora, alguém se arrisca a opinar sobre estas questões?

Mais uma vez agradeço a todo o apoio do pessoal da comunidade Meryl Streep – Brasil. Abraços!

See you soon...

See you soon...

10 Comentários

Arquivado em Carreira

Crítica: DÚVIDA (2008)

Precisa falar alguma coisa?

Precisa falar alguma coisa?

O diretor de Dúvida, John Patrick Shanley, ficou 18 anos afastado das telas de cinema desde seu último trabalho Joe Contra o Vulcão (1990). Em 2008, Adaptando o filme de  seu próprio trabalho no teatro, o diretor nos traz uma história densa e poderosa, que certamente tocará fundo aqueles que sentirem as indagações de seu trabalho. Com um elenco formidável, inteiramente indicado ao Oscar, a película se sustenta por suas atuações e pelo poder do roteiro, mas peca na condução da narrativa.

Na década de 1960, os ares de mudanças nas sociedades norte-americana e mundial já davam sinais de crescimento. Os ventos da modernidade se tornavam cada vez mais poderosos, incomodando o conservadorismo da Irmã Aloysius (Meryl Streep), numa das metáforas mais belas do filme. Nesse contexto, uma escola religiosa é palco do enfrentamento entre o progressista Padre Flynn (Philip Seymor Hoffman) e da conservadora Irma diretora da escola, que suspeita que o sacerdote mantenha relações impróprias com o primeiro estudante negro da escola, Donald Miller (Joseph Foster). No meio do turbilhão de acontecimentos, está a jovem e inocente Irmã James (Amy Adams) que, sem perceber, alimenta as suspeitas de sua superiora.

Dúvida é um filme intenso e controverso, a começar por seu título auto-explicativo. Tudo na tela e no roteiro é construído para criar dúvidas. A filmagem é ambígua, o clima é frio e distante, os ambientes são recriados com maestria de época e com um sentimento de… dúvida! Aliás, o filme parece ser de uma outra época, provavelmente pelo tempo que o diretor ficou parado em sua carreira. A sensação de que há alguém observando tudo a todo momento está sempre presente, talvez a mão de que fala Padre Flynn em um dos seus sermões. Cada personagem revela, aos poucos, informações que podem alimentar um ou outro lado das suspeitas. Assim, do começo ao fim, o filme é construído não para apresentar soluções, mas dúvidas, forçando a audiência a construir sua própria imagem do duelo entre Flynn e Aloysius. Alguns adoram esse tipo de abordagem, outros a abominam, e aí residem as controvérsias a respeito desse trabalho de John Patrick Shanley.

Além da dúvida, há vários outros temas sobre os quais o filme versa. Há o constante duelo entro o novo e o velho na década de 1960, que atingirá seu ápice em 1968, o ano que não acabou. É nessa época que o movimento negro começa a ganhar mais força, que Martin Luther King se torna um ícone mundial e que a escola aceita Donald Miller como seu primeiro estudante negro. A pedofilia é, logicamente, outro tema para se pensar. Seria Padre Flynn apenas um ser com muita compaixão e inocente das acusações? Ou estaria o sacerdote se fazendo de acolhedor para seduzir o estudante? Há dúvidas. E quanto às insinuações da mãe do garoto sobre homossexualidade? Será que isso realmente diminuiria o problema da suposta relação de pedofilia? De qualquer forma, a mãe tenta apaziguar sua consciência como pode.

Só não há dúvidas sobre o poder das interpretações, que são o carro-chefe do filme. Amy Adams, indicada ao Oscar de Melhor atriz Coadjuvante, faz um grande trabalho na composição da inocente Irmã James, que ganha mais consistência ao longo da película. Viola Davis, também indicada pela mesma categoria, interpreta magistralmente a mãe de Donald Miller e compõe uma das cenas mais emocionantes e inquietantes do filme.

Meryl Streep e Philip Seymor Hoffman travam um duelo interpretativo que há muito não se via. Com a ajuda de um roteiro bem escrito, cada fala de seus diálogos faz tremer a realidade a suas voltas. A cada segundo de filme, ambos se superam na composição das cenas mais poderosas da película, chegando a transbordar da tela. Hoffman encontra o tom perfeito para dar a seu personagem o caráter ambiguo de que necessita, além de compor com competência as cenas que exigem uma forte carga dramática. Streep conseguiu denovo. Sua 15ª indicação ao Oscar é inquestionável e totalmente merecedora do prêmio maior. A atriz compõe um verdadeiro abutre que é sua personagem, mas sem cair em maniqueísmos, consegue humanizar Irmã Aloysius.

Mas e aí? Se você pensa que um filme pode se sustentar por grandes diálogos, um roteiro competente, atuações muito acima da média e reflexões diversas, certamente gostará de Dúvida. Mas se você acha que tão importante quanto uma história é a forma como ela é contada, sairá dos cinemas um pouco desapontado, porque esse é o principal problema do filme. Fora as grandes discussões, não há clímax no roteiro, passando aquela impressão de que o filme é parado demais, de que ele roda, roda, roda e não sai do lugar. A falta de experiência e de inovação de John Patrick Shanley no cinema cria a impressão de um filme que só serve de palco para grandes atores, não se destacando como um bom filme em si (leia aqui um texto sobre direção e roteiro). Dessa forma, dependendo de quem assistir ao filme, poderá ter uma epifania ou uma desapontamento. Mas há dúvidas sobre isso também.

3 Comentários

Arquivado em Crítica